Nossa história

A Casa das Áfricas é uma plataforma que reúne dois núcleos independentes.
Desde o segundo semestre de 2015 os núcleos foram definidos de forma a responder à multiplicidade de iniciativas e dinâmicas. Tal decisão foi tomada após discussão e aprovação em assembleia.

Amanar e São Francisco.

Cada núcleo cria, financia e desenvolve suas atividades, respondendo autonomamente por suas iniciativas e espaços institucionais. Cada um deles mantém iniciativas voltadas para o debate e estudo de temáticas africanas.

Seus objetivos fundamentais são de contribuir para o processo de produção e ampliação de conhecimentos sobre as sociedades africanas e para o diálogo entre instituições e pesquisadores que tenham como foco de trabalho a África, notadamente nas regiões do oeste e do norte do continente além dos países de língua oficial portuguesa.

Para mais informações, busque em cada núcleo.

Breve história 

Entre 2003 e meados de 2011

A Casa das Áfricas formou-se em 2003 a partir do encontro de um grupo de pessoas que, por meio de diferentes processos e perspectivas, haviam criado vínculos com o continente africano e desejavam compartilhar e aprimorar suas experiências. Depois de elaborado, o projeto foi proposto sob a forma de um programa Casa das Áfricas específico à Associação Bem Comum – entidade sem fins lucrativos sediada em São Paulo, fundada em 2002 e certificada como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse  Público) pelo Ministério da Justiça do Brasil em 2004. Os idealizadores e fundadores do programa foram Acácio Almeida (Doutor em Sociologia/USP); Daniela Moreau (Historiadora); Denise Dias Barros (Doutora em Sociologia/USP) e Gianni Puzzo (Cineasta) além de Kelly Cristina Oliveira Araújo (Mestre em História/USP), Luena Nascimento Nunes Pereira (Doutora em Antropologia/USP). Colaboraram também com a instituição, ajudando a criar suas raízes: Maria Paula Adinolfi (Mestre em História/USP), Paulo Daniel Farah  (Doutor em Letras/USP), Cleude de Jesus (Bacharel em Direito/PUC), Giselle Dias Barros (Administradora, designergráfico) e Francisco Toledo (Bacharel em Ciências Sociais/USP).

Entre 2012 e meados de 2015 

A Casa das Áfricas tornou-se em 2012 uma instituição autônoma – na forma de asssociação não-governamental – e deu continuidade às atividades do ex-Programa Casa das Áfricas (2003-2011) da Associação Bem Comum. Entre 2012 e meados de 2015, teve a seguinte composição administrativa: Acácio Almeida (então na UNILAB, Campus do Malês) como presidente; Denise Dias Barros (USP) como coordenadora de projetos e programas; Edson Eduardo (USP / CEUCLAR), como secretário geral. Saddo Ag Almouloud (PUC-SP), responsável financeiro.

As atividades ficaram, em grande parte, sob a responsabilidade da equipe de Programas e Projetos  composta, então, por: Abdoul Hadi Savadogo, Debora Galvani; Denise Dias Barros, Emi Koide; Jair Guilherme Filho; Jaergenton Corrêa; Edson Eduardo Ramos da Silva, Luciana Santos Barbosa; Mahfouz Ag Adnane, Miki Sato; Valdir Pierote Silva; Victor Martins.

Equipes em outros Estados – Minas Gerais: Fernanda Thomaz. No Rio de Janeiro: Alain Kaly; Marina Berthet; Milton Guran. No Ceará: Carlos Subuhana. Foram Pesquisadores associados: Aghi Bahi; Mustafa Abdalla e Magued El Guibly. Participaram do Programa residência e estágio (2012-2015) pesquisadores africanos: Abdoul Hadi Savadogo – Mali/Burquina Faso; Mahfouz Ag Adnane – Mali; Sandro Fortes da Silva Ramos – Cabo Verde. Participaram do Programa Estudantes de instituições brasileirasMarina Pastore, UFSCar; Mariana Lima, bolsista de pesquisa Pró- Reitoria de Graduação da USP; Rafael Carlos Oliveira, FFLCH-USP; Marina Dias, FAAP-SP. A secretaria esteve sob responsabilidade de Eva Pereira Rocha.